Terça-Feira, 26 de Outubro de 2021

Pedro Fagundes de Borba

Estudo ciências sociais na Universidade do Vale do Rio dos Sinos; escrevo para portais; me chamo Pedro Fagundes Borba.

Ver todas as colunas

Complexo de vira lata



   Este complexo seria uma das mais fortes características brasileiras, correspondendo ao desprezo que boa parte dos brasileiros teria pelo brasileiro, pelo feito por nós e que nos caracteriza. O complexo de vira lata surge no sentido de não nos valorizarmos, não vermos o Brasil e suas produções como algo válido, de qualidade. Mais ainda, de considerarmos que somos ruins, fracos, que somente o internacional, aquilo que é gringo é bom, uma vez que não temos cultura, ou temos uma ruim.

    A ideia de uma cultura ruim é bastante densa e precisa ser entendida, pois, uma vez que os humanos que produzem cultura, esta é, a uma forma, um reflexo destes, de suas maneiras de interagir, de pensar e de criar seus jeitos de ser. Dizem então que o brasileiro seria um narciso às avessas, que cospe na própria imagem, justamente por vê-la como negativa, não ver a si mesmo de maneira boa, achando que as coisas gringas efetivamente boas.

  É bastante verdadeiro que todo brasileiro já falou mal do Brasil, por várias razões, a mais destacada sendo a malandragem e a corrupção. Por razões políticas, mas não somente, nos vemos como muito corruptos, sempre tentando levar vantagem, pensando sempre no melhor para nós, desprezando o coletivo e o bem comum. Falamos muito disto em relação aos políticos, mas estes são também um reflexo nosso. Portanto, é bastante brasileiro ver o Brasil como algo negativo, embora cada um se veja normalmente como uma exceção a esta regra, sendo alguém bom, muitas vezes nem sendo daqui, sendo um estrangeiro nascido em terras brasileiras.

    O complexo, então, ganha a forma de ser algo que não considera válido os pensamentos e a cultura própria como legítima, ou como algo a ser vista. Varia então desde considerar como imitações pequenas e provincianas de culturas do hemisfério norte até ser uma cultura degenerada, carregada de aspectos negativos, normalmente relacionados com mestiçagem e uma suposta degeneração cultural e racial que existiria. Mestiçada, a cultura brasileira seria suja, nojenta e degenerada. Entre outras formas do complexo, podem ser destacadas estas.

     Dos nacionalismos que surgiram, buscavam contrapor estas ideias de algumas maneiras. Desde valorizar o povo brasileiro como mistura do mundo, tanto quanto entender as características nacionais, e ver de maneira humana, seres reais e complexos, na realidade nacional. Mesmo quando foram abandonadas as noções raciais, sobretudo após a queda do nazi-fascismo, o complexo de vira lata não morreu, adotando novas formas, sendo de fato uma característica forte em alguns setores e partes culturais do Brasil.

       Dentre isto, entretanto, se o Brasil nem sempre serve como fonte cultural para a maioria, ele passa a ser entendido e visto, unindo produções nacionais com estrangeiras, que caracteriza boa parte dos que falam e pensam sobre o país. A cultura, como do resto do mundo, tem suas características locais e formas, não sendo sagrada ou preciosa, mas real, valendo a pena ser vista e entendida. O complexo acaba fazendo parte disto, como uma forma negativa de se entender e ver a coisa, por um desgosto ou ódio de narciso às avessas. Neste sentido, o nacionalismo seria nos entendermos como parte da realidade brasileira, vendo suas características, formas, semelhanças e relações com outros lugares do mundo.   












Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2021, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.